4.9.07

Abelha do mal

Friend and foe, do Menomena. Ainda estou muito, muito endividado com esse disco.

Neuras do mundo moderno: na correria louca de um dia-a-dia insano, ouvi algumas vezes o álbum do trio de Portland, elegi Wet and rusting uma das canções favoritas do ano e deixei (injustamente) de lado o que, para muita gente boa, representa um dos grandes momentos do indie rock em 2007.

Bom motivo para uma reavaliação? O clipe de Evil bee, animação digital dirigida por Stefan Nadelman.

O diretor é responsável pelo curta Terminal Bar, que venceu prêmio de júri em Sundance em 2003. E, confira, o rapaz tem futuro.



A música, além do mais, é uma lindeza. Oh, to be a machine. Oh, to be wanted, to be useful, diz a letra. Não é isso o que todo mundo quer?

***

E esgotaram os ingressos para duas noites de São Paulo do Tim Festival. A do dia 25, com Antony and the Johnsons e Cat Power, e a do dia 27, com Feist. Não é que eu não era o único trouxa neste mundo? Posso dormir tranqüilo.

8 comentários:

Rodrigo disse...

Belo video e boa música, mas ainda não ouvi o disco.

Aliás, outro clipe que merece atenção é o de Peacebone,´do Animal Collective, que incorpora bem o espírito do cd do ano. Já viu?

Tiago Superoito disse...

Ainda não. O disco também está entalado. Você curtiu?

Rodrigo disse...

MUITO. Tanto é que eu normalmente diria "...cd do ano ATÉ AGORA", mas eu duvido que alguém o tire do topo (só se o Radiohead decidir lançar um novo Kid A ou um novo Ok Computer esse ano).

Tu chegou a ouvir Fireworks? Melhor música que eles já gravaram e olha que adoro os discos anteriores deles (menos o Here Comes the Indian, que eu ainda não ouvi).

Tiago Superoito disse...

Vou ouvir com atenção e escrevo alguma coisa em breve sobre.

Diego disse...

Eu não consigo pensar em nada que me dê mais sono do que Animal Collective.

(...)


Já sei! Dorflex!

Tiago Superoito disse...

Hahaha, maldade.

Rodrigo disse...

Mas o Strawberry Jam tá muito diferente dos outros discos da banda. Na verdade, é o oposto de um Sung Tongs, e eu também vejo pouco coisa do Feels nele (a não ser aqueles "ih ih's/uh uh's" à lá Beach Boys). De qualquer modo, acho que não é o disco que converterá os detratores. hehehe.

Tiago Superoito disse...

Tá diferente mesmo. Mas lembra um pouco algumas canções mais acessíveis do "Feels".