12.9.07

Delírio sabor morango



Com o Animal Collective é assim: há os que não suportam passar perto, há os que tentam e desistem, há os que têm pesadelos só de pensar no assunto (Diego?) e, finalmente, há os que não podem viver sem. Já vou avisando: faço parte desse último grupo.

Confesso que fica cada vez mais difícil oferecer argumentos positivos aos que têm alergia a esse quarteto de Nova York. A banda não vai (nunca?) facilitar o trabalho de ninguém. Na falta de termo melhor, blogs metidos a besta e sites bacanas espalham que o novo álbum representaria o momento pop do coletivo liderado por Panda Bear e Avey Tare. Mas pop? Mesmo?

Duvido. Eu, que já estou intoxicado pela sonoridade do grupo (que alguns chamam de freak-folk, ou de nova psicodelia, mas não consigo classificar direito), não tenho condições de identificar se eles ficaram mais atraentes a um outro público. Não sei. Eu recomendaria todos os discos deles a você, mas com uma restrição: eles exigem dedicação, e talvez você não terá tempo, paciência ou simplesmente vontade de apostar nisso.

Este post, por exemplo, deve desabar o número de acessos a este blog. Mas é a vida!

Os detratores do grupo (e são muitos) dificilmente tirarão da minha cabeça que Strawberry Jam (****) é um dos álbuns imperdíveis de 2007. O que fazer? Esta parece ser uma guerra perdida. Para quem tem fé na bicharada, fica muito complicado não se render a um disco que revela a banda com total domínio de um estilo criado por eles mesmos - e, ao mesmo tempo, com um desejo imenso de expandir essa estética, de caminhar rumo a territórios desconhecidos.

Eles não descansam. A ênfase nos vocais e a opção de valorizar a performance ao vivo no estúdio (sem tantos efeitos de produção) fazem deste o trabalho mais caloroso, mais "humano" deles. E eles são os primeiros a reconhecer o esforço. Now I think it's alright to sing together, admitem, na excelente For reverend Green . Antes, Chores reafirma o gosto por mantras que, para os menos acostumados, podem acabar soando como versões lisérgicas da canção-tema de O rei leão.

Em entrevista à Pitchfork, Panda Bear (que lançou este ano o ótimo, dopado Person Pitch) revelou de onde saiu o nome do álbum. Sentado na poltrona de um avião, ele admirava o brilho da luz do sol num daqueles potinhos de geléia de morango que costumam vir no serviço de bordo. Aí veio o clique. "Eu queria que a sonoridade do álbum parecesse com aquela imagem", disse. Juro que ainda não entendo, mas sorrio quando penso na idéia.

Ok, é uma seita. É uma bobagem. É um jogral pré-escolar. É um universo de acesso não muito imediato. Mas é um universo. Digam que estou louco, mas quantas bandas conseguem criar algo assim?

O álbum Strawberry Jam foi lançado ontem nos Estados Unidos pela Domino.

Ouça! Peacebone, no MySpace

11 comentários:

Diego Maia disse...

Não. Eu sou dos que tentaram e não gostaram.

Tiago Superoito disse...

Foi mal.

daniel pilon disse...

inclua aí um novo grupo. o grupo dos que acham um disco bem bacana, mas nada tão genial assim.

Anônimo disse...

pra quem gosta de fall out boy, deve dar pesadelos mesmo.

Tiago Superoito disse...

Sim, Daniel. Sim.

Rodrigo disse...

****, perfeito. E não é só um dos álbuns imperdíveis desse ano, como também dessa década (acho que só uns quatro me emocionam tanto quanto este).

E acho que o maior avanço que eles fizeram aqui foi em relação às letras (se não me engano a Pitchfork mencionou isto também). A de Fireworks é deuma beleza rara.

Tiago Superoito disse...

É verdade, é a primeira vez em que dá pra entender perfeitamente o que eles querem dizer com as letras.

Diego Maia disse...

Que legal, tenho um odiador aqui!

Fall Out Boy > Animal Collective.

Tiago Superoito disse...

Mal chegou e já conseguiu despertar os ânimos da blogosfera, hehe.

Você é popular, Diego.

Danilo Machado disse...

po, eu postei o ultimo ep deles no meu blog a pouco tempo, caso alguem nao tenha...

acho bom pra mais de metro...

Tiago Superoito disse...

Vou dar uma olhada lá, Danilo.